É melhor dublar ou legendar seu vídeo? - José Henrique Lamensdorf - translation - tradução

Go to content

É melhor dublar ou legendar seu vídeo?

PORTUGUÊS > VÍDEO

VÍDEO: DUBLAR OU LEGENDAR?
Em outras palavras:
Convém você mandar dublar ou legendar seu vídeo?

por José Henrique Lamensdorf    
publicado originalmente em inglês em: http://EzineArticles.com/6377843


Você deve conhecer as opções de idiomas num DVD. A maioria dos filmes comerciais lhe oferece um menu para selecionar os idiomas do som e das legendas que quiser. Para sua informação, um DVD pode conter até 8 trilhas sonoras diferentes, e até 32 conjuntos de legendas + nenhum (= legendas desligadas).

Mas o seu caso é diferente: não é um filme de cinema em DVD. Sua empresa produziu um vídeo no exterior, e você precisa exibi-lo aqui para seus funcionários, clientes, interessados, acionistas, fornecedores, ou até mesmo o público em geral.

A primeira de todas as perguntas que o seu prestador de serviços de localização de vídeo lhe fará é se quer dublado ou legendado. A menos que você esteja familiarizado com as informações que darei a seguir, poderá tentar a abordagem financeira, perguntando quanto irá custar cada um destes processos.

Isso pode variar de um vídeo para outro, porém como regra geral o processo inteiro de dublagem de um certo vídeo custará cerca de três vezes o de legendá-lo. Contudo a menos que você tenha um orçamento severamente limitado, o preço não é um bom critério para essa decisão, visto que deixa de lado as questões de eficácia.

Esta decisão precisa ser tomada logo no início, visto que a tradução para dublagem e a tradução para legendagem são processos bem diferentes, e dificilmente uma delas poderá ser convertida para uso na outra. Uma mudança de opção depois de pronta a tradução muitas vezes exigirá voltar a estaca zero, descartando o trabalho que já tiver sido feito.



AS OPÇÕES

Em lugar de apenas duas, vamos tratar de quatro opções aqui. Vou acrescentar às duas conhecidas (dublagem e legendagem) mais duas: VO ou voice-over, e híbrido.



Legendagem

É a maneira mais econômica. Não é preciso descrevê-la, porém seus principais pontos fracos são:

        • As legendas ocupam parte da atenção do espectador. Se for apenas uma ou mais "cabeças falantes", uma opção viável é traduzir o roteiro para texto escrito e enviá-lo por e-mail ou fax. Não será necessário assistir ao vídeo. Se for desejável, pode-se até incluir fotos dessas "cabeças".

        • Se as pessoas falarem muito rápido e disserem muito em termos de conteúdo, uma parte poderá se perder, visto que não dará tempo para ler tanto texto na tela

        • A legendagem definitivamente não se presta a filmes instrutivos ou de treinamento técnico. Não é possível alguém ler "Puxe a trava por baixo da tampa para ter acesso ao botão de ajuste que há em baixo", e ver as imagens de como se faz isso ao mesmo tempo.

        • Se houver gráficos, tabelas, ou outras apresentações visuais de dados na tela, será impossível ler tanto as legendas como esses dados ao mesmo tempo, ainda que tudo tenha sido traduzido.

        • Plateias com limitações à leitura rápida (crianças, analfabetos, deficientes visuais, estrangeiros) terão acesso limitado ou nulo ao conteúdo.

        • O som original permanecerá lá. Se a tradução for ruim, espectadores bilíngues poderão protestar.


Dublagem

Também não é preciso descrevê-la.  Como já vimos, o processo inteiro custa aproximadamente o triplo da legendagem. Seus principais pontos fracos são:

        • Exige um tradutor especializado em dublagem, de modo que o roteiro de dublagem torne possível que artistas (dubladores) sincronizem sua fala com os movimentos da boca dos atores originais. Se for apenas narração em "off", não haverá este problema.

        • Embora eu, pessoalmente, não faça diferenciação, a maioria dos tradutores cobra (bem) mais caro para traduzir para dublagem do que para legendagem.

        • Se houver muitos personagens, o custo de dublagem pode aumentar significativamente, por exigir um elenco numeroso de dubladores. (A legislação brasileira estabelece um máximo de duas "dobras" por dublador. "Dobra" é o nome que se dá a um mesmo dublador fazer a voz de um personagem adicional, forçando uma voz diferente. Em geral é quando o dublador de um papel principal faz também a voz de um ou dois figurantes.)

        • Se as pessoas que falam diante das câmaras não forem profissionais treinados para isso, e/ou sua apresentação não tiver sido ensaiada, a dublagem poderá parecer falsa e pouco natural, especialmente se o dublador tentar acompanhar os seus tropeços, gaguejadas ou mudanças de assunto no meio da frase.

        • Se houver música e efeitos sonoros (contrarregra), a menos que a trilha sonora chamada M-E (música + efeitos) tenha sido fornecida separadamente, será preciso recriá-la, o que pode chegar a custar bem caro.

        • Canções podem exigir legendagem parcial, ou então músicos e cantores para a dublagem.


VO = Voice-over

É um processo semelhante, embora mais econômico, que a dublagem. É visto principalmente em documentários e noticiários.
De um modo geral envolve a dublagem por, no máximo, três pessoas: um narrador, um "homem" e uma "mulher". O narrador faz o trabalho exatamente como o faria em dublagem. Os outros personagens começam com o som original, o volume é baixado imediatamente, e uma tradução sem sincronismo é lida por um do dos outros dubladores (o mesmo "homem" para a voz de todos os homens; a mesma "mulher" para a voz de todas as mulheres). Estes dois sempre terminam cerca de um segundo antes dos personagens originais acabarem suas falas, tempo para o volume do som original ser restaurado ao normal.

É comparativamente mais barato que a dublagem sincronizada em todos os aspectos, especialmente se o vídeo contiver depoimentos de muita gente. Suas principais deficiências são:

        • O resultado inevitavelmente parece um serviço barato, visto que há um lembrete constante de que aquilo foi traduzido. Às vezes, dependendo do conteúdo, dá a impressão de que a intenção era dublar, porém a verba se esgotou prematuramente.

        • Se houver alguma performance dramática, ela será completamente perdida, uma vez que a tradução será lida com um mínimo de interpretação, como num noticiário da TV.

        • Quando isso é feito por uma única voz para narração, homens e mulheres, chama-se "lectoring", a forma mais barata de localização de vídeo, vista pela última vez em alguns países que compunham a União Soviética.

        • Sua razão de ser é oferecer, a um custo muito mais acessível, um vídeo com o efeito de dublagem, de modo que os espectadores tenham mais tempo para ver as imagens, em lugar de ficarem presos à leitura das legendas.


Híbrido

Neste processo o narrador, e às vezes os personagens principais, são dublados. Todas as outras participações, como os testemunhos de diversas pessoas, são legendados. É preciso um bocado de bom senso para decidir que papéis serão dublados, e quais serão legendados. E é preciso haver uma lógica sensata nisso, caso contrário mudanças frequentes (especialmente se não tiverem um motivo) entre leitura e escuta irão comprometer o nível de atenção do espectador.

O vídeo híbrido é ideal para vídeos tipo documentário onde um apresentador que faz a narração de ponta a ponta é dublado, e todas as pessoas que dão o seu depoimento ou são entrevistadas, são legendadas.


A IMPORTÂNCIA DE DECIDIR LOGO NO INÍCIO

Convém lembrar que uma mudança no rumo de qualquer processo de localização de vídeo em andamento irá fazê-lo voltar inexoravelmente à estaca zero: a tradução. Então se um vídeo for modestamente legendado, fizer sucesso, e depois for ser dublado, tudo começará com a tradução novamente. Na melhor das hipóteses, a tradução inicial servirá como material de referência.


ALGUMAS CRENÇAS ERRÔNEAS PORÉM FREQUENTES SOBRE A TRADUÇÃO DE VÍDEO

        • Muita gente acha que um vídeo precisa ser transcrito no idioma original primeiro, para depois ser traduzido. Isto não é correto se o vídeo tiver de ser traduzido para apenas um idioma. Os bons tradutores de vídeo trabalham diretamente da trilha sonora do vídeo para criar um roteiro para dublagem ou conjunto de legendas traduzido.

        • Muitos tradutores oferecem tarifas mais baixas se o roteiro original tiver sido fornecido. O motivo é que quando ruídos/música/efeitos sonoros chegam a encobrir as falas, pode ficar difícil entender e traduzir o que foi dito. Todavia o roteiro precisa ser correto, e corresponder à edição final. Às vezes é e corresponde, em outras, não; então convém tomar cuidado!

        • Algumas pessoas acham que tudo o que o tradutor precisa é o roteiro ou as legendas em algum idioma do qual possam traduzir; não há necessidade de assistir ao vídeo. Esta é a fonte da maioria dos "micos" de tradução que vemos nas telas. Imagine a frase em inglês "It's down!" Alguma coisa pode estar abaixada, algum equipamento pode ter parado de funcionar, ou podem ser as penas de um travesseiro. Em inglês, muitas coisas não flexionam em gênero nem número, como cores, posições e adjetivos em geral. Muita coisa seria óbvia se o tradutor tivesse assistido ao vídeo, porém inimagináveis sem vê-lo.

        • Na busca mundial por baixar custos, alguns tentam contratar o fornecedor mais barato em cada etapa do processo. Convém observar que a tradução de um vídeo é uma sequência progressiva de eventos, onde a qualidade em cada passo depende integralmente da qualidade obtida na etapa anterior. Se um DVD impecavelmente dublado ou legendado for copiado em quantidade usando mídia (o disco) barata, e as cópias resultarem inúteis, bastará descartá-las e copiar novamente. No outro extremo da linha do tempo, se a tradução estiver ruim, nem a melhor dublagem ou legendagem conseguirá compensá-la. Se isso chegar ao ponto de se gerarem muitas cópias, e elas tiverem de ser descartadas, o processo inteiro terá de voltar à fase de tradução, e todos os passos subsequentes terão de ser refeitos.

Back to content