DESCONTOS EM TRADUÇÃO - José Henrique Lamensdorf - translation - tradução

Go to content

DESCONTOS EM TRADUÇÃO

PORTUGUÊS > TRADUÇÃO

Às vezes me pedem descontos no primeiro serviço, prometendo um grande volume de serviços futuros. Além de eu nunca ter visto uma dessas promessas se concretizar com alguém que começasse pedindo desconto antes de dizer do que se tratava, acho que seria desonesto dar um desconto só porque me pediram. Seria a confirmação de que o meu orçamento inicial era exagerado, lesivo.

Por mais estranho que possa parecer, tenho interesse em reduzir o custo para o cliente. Se por um lado cobro por tudo o que faço, por outro procuro minimizar o que é preciso fazer. Se quiser reduzir custos em tradução, reuni dez maneiras de fazê-lo sem envolver descontos, nesta página.

Uma forma que encontrei para reduzir custos envolve especificamente a tradução de publicações prontas, diagramadas geradas em programas de editoração eletrônica, DTP, como InDesign, QuarkXpress, FrameMaker e outros. Trabalho muito bem com PageMaker, porém se precisam apenas da publicação traduzida usando a diagramação original, é muito mais econômico gerar um PDF e trabalhar diretamente nele; afinal não será preciso gerar uma nova diagramação. Para saber mais sobre esta opção, clique aqui.

De vez em quando desenvolvo campanhas promocionais específicas para clientes constantes. Quando percebo que um cliente desses tem uma certa demanda diferenciada onde é possível reduzir custos, procuro desenvolver algo que atenda a suas necessidades particulares.


Ferramentas de auxílio à tradução

Muita gente já ouviu falar de ferramentas de auxílio à tradução, conhecidas em inglês como "CAT tools" (CAT = Computer Aided Translation). As mais famosas são Trados, WordFast e MemoQ, porém há muitas outras, e o número de opções cresce incessantemente.

Para não deixar dúvidas, são programas de computador. Os web sites dos respectivos fabricantes apregoam reduções significativas no custo de traduções feitas com estas ferramentas. Isto pode ter fundamento... ou não.

Em primeiro lugar, é preciso diferenciar as CAT tools da tradução automática. A tradução automática é feita com um banco de dados de origem desconhecida, talvez acrescido de contribuições dos usuários. As CAT tools criam uma Memória de Tradução (MT) exclusiva do seu usuário, que pode ser específica a um trabalho, a um assunto, a um cliente, ou simplesmente geral.
Elas auxiliam procurando na MT frases (chamadas de "segmentos") que aquele tradutor já traduziu, e dando-lhe a opção de aproveitá-las exatamente como foram traduzidas anteriormente, exigindo apenas um toque, em lugar de precisar digitar tudo novamente. Além disso, quando uma frase é parecida (75 a 99% dos caracteres e da sequência são iguais), o programa lhe dá a oportunidade de aproveitar a frase parecida para apenas editá-la. Esta explicação é exageradamente simplificada, porém serve para dar uma idéia de como o processo funciona.

Há agências de tradução que exigem grandes descontos sobre essas correspondências parciais, e tenho quase certeza de que não os repassam aos clientes finais, mas se convertem em lucro. Gosto de fazer analogias, então comparo essas ferramentas a um táxi que tenha transmissão automática e direção hidráulica. O proprietário terá pago bem mais por um carro que tenha esses recursos para o seu conforto ao dirigir, cobrando o mesmo por quilômetro rodado. Da mesma forma, o tradutor terá pago pelas suas CAT tools, portanto não cabe ao cliente obter vantagem sobre o investimento do tradutor.

Atualmente, e já há alguns anos, utilizo o WordFast Classic. Nada impede que eu mude no futuro, dependendo da evolução da tecnologia.

Em função da minha principal especialidade, programas de treinamento empresarial, uma ferramenta CAT permite uma economia significativa. Um programa de treinamento desses costuma incluir materiais variados, por exemplo, Guia do Instrutor, Apostila do Participante, apresentações em PowerPoint, handouts (folhetos para distribuição durante o curso) e outros. Muitas frases, obviamente, se repetem verbatim em todos eles.

Era comum clientes me solicitarem a tradução apenas do Guia do Instrutor, que supostamente incluía 90% ou mais das outras publicações, e depois penosamente aplicarem a tradução nos locais correspondentes. Para poupá-los desse transtornos sem custo adicional, em trabalhos envolvendo mais de 5.000 palavras, ofereço a tradução dos segmentos repetidos gratuitamente. Para não deixar de mencionar, não dou nenhum desconto em segmentos parcialmente repetidos (chamados "fuzzy matches").


Prazos de pagamento

A maioria dos prestadores de serviços recebe à vista. Por algum motivo que ainda não consegui descobrir, criou-se uma cultura de pagar tradutores "quando der", como se as contas deles não tivessem vencimentos fixos.

Para as traduções juramentadas, há legislação a respeito:
INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 84 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DO REGISTRO DO COMÉRCIO – DNRC
de 29 de fevereiro de 2000 (Publicada no Diário Oficial da União de 1/3/2000)
Art. 15. Os emolumentos são devidos pelo pronto exercício das funções inerentes ao ofício.
Essa determinação foi copiada no Art. 3º da Deliberação 05/2011 da Jucesp.

É exatamente como funciona nos cartórios. Paga-se pelo serviço no caixa, imediatamente antes de retirá-lo ali mesmo.

Contudo, como as demais traduções não são regulamentadas, acontece de tudo. Há agências de tradução que vivem apenas do fluxo de caixa. Cobram adiantado ou à vista dos clientes e pagam ao tradutor em 45, 60 ou 90 dias... com o dinheiro do próximo serviço. Se a conjuntura econômica tender a uma recessão, não terão como pagar.

É comum manter uma conta aberta com clientes que enviam serviços continuamente ou em rápida sucessão, para não ficar contando tostões todo dia. Nestes casos, exclusivamente, é normal fechar a conta semanal, quinzenal, ou mensalmente, porém não além disso. Nos demais casos, meus preços são para pagamento à vista.

Back to content